Pós-Covid: pesquisas apontam crescimento na busca por uma alimentação saudável

Prever o futuro é uma tarefa impossível. Mas, ao analisar comportamentos e tendências dos últimos meses, podemos ter uma estimativa de como será a alimentação no pós-coronavírus. Os estudos já apontam que a alimentação será mais prática, saudável e sustentável.

A pesquisa “Alimentação na pandemia: como a Covid-19 impacta os consumidores e os negócios em alimentação?”, foi realizada pelo Instituto Qualibest, em parceria com a consultoria Galunion. Questionados sobre “que tipo de comida preparada fora de casa comprariam?”, 75% dos entrevistados responderam: “comida gostosa, fresca e que ajude na imunidade, na minha saúde e da minha família”.

Já um estudo sobre a relação do brasileiro com a comida, realizado pelos Pesquisadores do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo, revelou um aumento generalizado na frequência de consumo de frutas, hortaliças e feijão (de 40,2% para 44,6%).

O debate sobre uma alimentação rica em nutrientes e balanceada é discutido há muito tempo. Porém, ganhou destaque em 2020, com a chegada do novo coronavírus, superperigoso e espalhado pelo mundo todo. E como todos sabem, a alimentação saudável traz diversos benefícios ao organismo, como bem-estar, equilíbrio e, claro, imunidade.

A pesquisa feita pelo Instituto também perguntou sobre as tendências culinárias/gastronômicas que devem continuar após a pandemia. E as questões mais citadas foram as seguintes:

74% – Comida saudável, dietas funcionais (exemplos: alta proteína / sem glúten / sem lactose)

73% – Naturalidade / frescor dos alimentos

68% – Preocupação com sustentabilidade

60% – Valorização da marca / origem dos produtos

51% – Produtos livres de ingredientes artificiais

E você, faz parte do grupo de pessoas que busca por uma vida com mais saúde por meio da alimentação na pandemia ou ainda precisa de mudanças em seus hábitos alimentares?