Alimentos: classificação e processamentos

Falar sobre alimentação sempre é importante. Durante esse mês, trouxemos aqui no blog, um compilado de assuntos. O primeiro foi como as sobremesas interfere na saúde das crianças; a alimentação e o câncer e como as empresas podem ter colaboradores mais motivados por meio de uma alimentação industrial adequada. Hoje, o tema é sobre o processamento de alimentos. Continue lendo a matéria para ter mais saúde e conhecimento. Então, vamos lá?!

Já passou pela sua cabeça como os alimentos são feitos? A fim de sanar algumas dúvidas ou curiosidades, muitas pessoas procuram vídeos na internet para saber como é a produção ou processo de embutidos, guloseimas, bebidas etc. Mas, nem tudo está disponível no ambiente virtual, não é mesmo?

Para que os alimentos cheguem à sua mesa, diversos tipos de processamentos são feitos. Portanto, é levado em conta como cada processo interfere nos nutrientes, nos sabores, nas circunstâncias que serão consumidos – quando, onde e com quem -, e na quantidade de ingestão.

De acordo com o Guia Alimentar para a População Brasileira, há quatro categorias de classificação dos alimentos. São elas: alimentos in natura ou minimamente processados; ingredientes culinários processados; alimentos processados e ultraprocessados. Veja abaixo.

Classificação

Grupo 1 – Alimentos in natura ou minimamente processados

Os alimentos in natura são obtidos de animais ou plantas e não possuem nenhuma alteração depois de serem extraídos da natureza. Já os minimamente processados, sofrem algum tipo de alteração, como limpeza, secagem, fermentação, refrigeração, congelamento ou processos que não envolvem adição de açúcar, gorduras, óleos ou sal.

Exemplos: ervilhas, feijões, grão-de-bico e lentilhas; arroz branco ou integral; milho em grão ou na espiga; farinhas de mandioca, milho ou trigo; farelo ou flocos de aveia; macarrão ou massas frescas com farinhas e água; legumes e verduras frescas ou embalados, refrigerados ou congelados; frutas frescas e secas, sucos naturais ou pasteurizados (sem adição de açúcar ou outros aditivos); carnes, frutos do mar e ovos; leite líquido ou em pó, iogurte, coalhada; amêndoa, amendoim, avelã, castanhas, nozes e outras oleaginosas sem açúcar ou sal; água para consumo; cogumelos frescos e secos; ervas; sementes; chás, café e erva-mate.

Grupo 2 – Ingredientes culinários processados

São produtos utilizados no preparo das refeições. São extraídos dos alimentos in natura para a produção de ingredientes culinários destinados às indústrias de alimentos ou para o consumidor final. Os processos desse grupo são diferentes dos alimentos minimamente processados. São utilizados a moagem, o refino e a adição de enzimas.

Exemplos: açúcar branco, cristal e mascavo; azeite de oliva; banha; manteiga; melado e rapadura; mel de abelha; gorduras; óleos de girassol, de milho e de soja; sal de cozinha iodado e vinagres

Grupo 3 – Alimentos processados

Alimentos processados elaborados pela indústria com adição de açúcar, sal ou outros ingredientes culinários de alimentos in natura para torna-los duráveis e saborosos para todos os paladares.

Exemplos:  conservas de legumes, de verduras, de cereais ou de leguminosas; extrato ou concentrado de tomate; castanhas; carnes salgadas; peixe conservado em óleo ou água e sal; frutas em calda ou cristalizadas; queijos (minas, prato, mussarela, ricota, gouda, brie, coalho, canastra, provolone e cottage) e pães (feitos de farinha de trigo refinada, integral ou com leveduras).

Grupo 4 – Alimentos ultraprocessados

A primeira característica dos alimentos ultraprocessados é que são produtos prontos para consumo. Em seu processamento, são utilizadas várias técnicas e etapas. Neste grupo, muitos ingredientes são inseridos, como açúcar, adoçantes, conservantes, corantes, gorduras, óleos e sal.

Exemplos: refrigerantes; pós para refresco; bebidas adoçadas prontas para o consumo, bebidas prontas à base de fruta com ou sem soja, bebidas com sabor de chocolate e sabor de frutas, bebidas energéticas; salgadinhos de pacote; sorvetes, chocolates, balas e guloseimas em geral; gelatinas em pó; pães doces, de forma, para hambúrguer ou hot dog; biscoitos, bolos e misturas para bolo; barras de cereais; iogurte com sabores; queijos; temperos instantâneos em cubo, em pó ou líquidos; maioneses e molhos prontos; produtos congelados prontos para aquecimento; empanados, salsicha, hambúrguer; produtos de carne reconstituída, e sopas, macarrão e sobremesas instantâneos.

Agora que você tem conhecimento sobre quais alimentos pertencem a cada grupo, escolha os essenciais para uma alimentação saudável e rica em nutrientes.