A importância da segurança alimentar dentro das empresas

A Constituição Brasileira determina que os alimentos não devem ser fornecidos à população de qualquer maneira ou em quaisquer condições. Ou seja, esse dever também se estende às empresas. Afinal, a maioria dos funcionários passa boa parte do dia no ambiente de trabalho e muitos fazem refeições no local.

A Anvisa regulamenta que os estabelecimentos que comercializam ou preparam alimentos devem seguir alguns requisitos de qualidade para garantir aos consumidores segurança alimentar, prevenir a proliferação microbiana e a execução inadequada dos manipuladores.

Para entender um pouco mais sobre o assunto, continue a leitura!

Como surgiu o termo segurança alimentar?

A expressão segurança alimentar foi utilizada pela primeira vez na Europa, durante a Primeira Guerra Mundial. Tornou-se objeto de políticas públicas em 1974, em Roma, na Conferência Mundial da Alimentação (CMA), amparada pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

No Brasil, a Lei n° 11.346/2006 define a segurança alimentar como a “realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis”.

Mesmo com as leis, a má distribuição de alimentos ocorre no Brasil e em outros países. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 10% da população mundial adoece todos os anos pela ingestão de alimentos contaminados. Cerca de 420 mil pessoas morrem anualmente após ingerir alimentos que possuem contaminantes biológicos, físicos e químicos.

Como uma empresa pode garantir uma boa segurança alimentar?

Além dos cuidados de higienização da equipe, a OMS determina que outros passos devem ser seguidos. Confira:

– Ter cuidado máximo com a higienização dos alimentos, mantendo-os sempre limpos e frescos;

– Separar alimentos cozidos de alimentos crus;

– Controlar e manter a temperatura na qual os alimentos serão submetidos, tanto na conservação quanto na preparação;

– Higienizar os utensílios e materiais a serem utilizados no preparo dos alimentos, mantendo-os livres de bactérias ou outros agentes nocivos;

– Lavar e higienizar adequadamente frutas, legumes e verduras, para retirar qualquer resíduo de agrotóxicos.

Investir em segurança alimentar é um ótimo caminho para as empresas, pois a sua importância está relacionada à saúde e qualidade de vida dos colaboradores, na produtividade das tarefas e nas relações interpessoais no ambiente organizacional.

Agora que você sabe da importância da segurança alimentar dentro de uma empresa, conte com a JA. Além de seguir as recomendações da OMS e dos órgãos brasileiros, a JA também trabalha com normas rigorosas de controle de qualidade e de segurança no preparo dos alimentos.